Quando iniciar o processo de acreditação hospitalar?

Iniciar um processo de acreditação hospitalar será uma decisão fácil se a instituição tiver processos padronizados, gerenciar adequadamente rotinas e racionalizar a utilização de recursos, elementos básicos para a eficiência e qualidade das operações internas. Mas pode ser uma decisão cada vez mais complexa se a instituição esperar esses elementos como resultados do processo de acreditação1.

A medida que o conhecimento sobre o tema avança os padrões são atualizados e, consequentemente, aumenta a complexidade para as instituições iniciantes.

Não há como reverter a velocidade desse processo, pois não é o único que avança. O ambiente sofre mudanças devido aos avanços tecnológicos, alterações na economia, na legislação e a disponibilidade de recursos também influenciam. A única forma de acompanhar as mudanças nos padrões de qualidade é acelerar as iniciativas internas e embarcar.

Uma vez iniciado o processo o ritmo de aprendizado das equipes é vigoroso e em pouco tempo todos se ajustam à velocidade, pois cada nova informação agregada encontrará conexão com o conhecimento já adquirido. A periodicidade das avaliações, estabelecida pelas instituições acreditadoras, também compõem esse complexo sistema de qualidade e segurança do paciente com uma função adicional: manter as conquistas obtidas.

Obter o manual de padrões para a acreditação e iniciar a preparação é um passo importante, lembrando que será necessário, um amplo processo educacional para discutir de forma aprofundada os detalhes do modelo adotado. Vincular o início do processo ao período de atualização dos padrões pode fazer alguma diferença. Assim que for publicada uma nova versão dos padrões você inicia o processo e, assim sua instituição terá três anos para aprofundar seus conhecimentos e se adequar aos padrões para obter a acreditação. Mas é importante lembrar que a sensibilização das equipes e estudo dos padrões deve iniciar antes, pois assim sua equipe terá a dimensão das mudanças que ocorrem nas revisões. Mas o prazo já estará definido, se perder o primeiro prazo deverá se ajustar ao novo padrão com mais rapidez ainda.

No início o processo de acreditação hospitalar requer um trabalho de sensibilização para a mudança que se apresenta e, como ocorre em qualquer mudança, é necessário enfrentar a resistência de alguns grupos profissionais. A adesão dos profissionais, incluindo liderança, corpo clínico e colaboradores foi apontada como uma das principais dificuldades no relato de caso apresentado por Moreno, Dias e Kelian no Qualihosp 20152. As outras dificuldades citadas foram a disseminação da cultura da qualidade e segurança, aspectos financeiros e a estrutura físico-funcional.

Nesse cenário é importante lembrar que a visão estratégica da qualidade não aconteceu da noite para o dia. Esse movimento tem suas bases na cultura norte americana, na qual os programas de qualidade estavam baseados em controles de processos, custos da qualidade e zero defeitos. Mas diversas forças externas contribuíram relacionando as perdas de rentabilidade e de participação no mercado com a má qualidade, além de processos de indenização e pressões do governo. A qualidade passou a ser definida então, do ponto de vista do cliente. Mas essa definição esbarrou no atendimento das especificações técnicas, que passou a ser secundária com o surgimento de outras demandas, como por exemplo a pesquisa de mercado3.

Relatos informais colhidos durante a participação em cursos e eventos destacam que não existe um único modelo bem-sucedido de gestão estratégica da qualidade. As necessidades são diferentes, as culturas organizacionais são diversas, mas mesmo assim existem temas comuns a todas as empresas que buscam melhorar a qualidade de seus produtos que é o alinhamento, a união de esforços de empregados e gerentes em torno da qualidade.

Não basta ter uma orientação da alta direção para que um programa de qualidade de fato seja implementado, assim como também não é suficiente um movimento apenas da base operacional. É preciso unir os esforços associando-os diretamente aos objetivos da empresa e a história tem evidenciado que isso garantiu a sobrevivência de muitas empresas.

A busca pela qualidade na saúde é inevitável, pois não há como suportar os custos de retrabalho, de processos ineficientes e eventuais processos em fóruns legais que influenciam negativamente a imagem da instituição.

Se a sua instituição ainda não começou, defina um caminho e start o processo. É aprendizado garantido.

 

Referências:

1- Araújo CAS, Figueiredo OHS, Figueiredo KF. O que motiva os hospitais brasileiros a buscar acreditação? Revista de Gestão em Sistemas de Saúde. [publicação on-line] 2015. [acesso em 1 mar 2017]. Disponível em: http://www.coppead.ufrj.br/upload/publicacoes/111-819-1-PB_1.pdf.

2- Moreno MCTS, Dias KC e Kelian, A.R. Pesquisa de Abandono de Certificação de Qualidade em Saúde. ANAIS do Qualihosp; 82-83, 2015. São Paulo.

3- Garvin, D. Gerenciando a Qualidade: a visão estratégica e competitiva. Rio de Janeiro, Qualitymark Ed., 1992.